sábado, 28 de fevereiro de 2009

Demissões de terceirizados na Volks exclui o Brasil



Deu na Folha Online, enquanto isso tem gente que só informa uma parte da notícia e torce para o Brasil ir para trás.

da Folha Online

A Volkswagen do Brasil informou neste sábado que as demissões anunciadas pelo presidente mundial da montadora, Martin Winterkorn, não afetarão os funcionários da empresa no Brasil, no setor de produção.

Winterkorn disse, segundo a revista semanal alemã "Der Spiegel", que a Volks irá demitir neste ano 16.500 funcionários devido à crise no setor automobilístico. O diretor de Assuntos Corporativos da empresa no Brasil André Senador, explicou que as demissões vão atingir funcionários da produção empregados como terceirizados através de agências.

O diretor informou que não há funcionários no setor de produção da Volks no Brasil empregados sob esse tipo de contrato. Segundo ele, a empresa emprega 1.600 pessoas em regime temporário, e a manutenção desses funcionários em seus postos de trabalho dependerá da situação do mercado automobilístico mundial e dos rumos da economia. A Volks do Brasil não no momento tem planos de nenhuma medida semelhante para funcionários temporários no Brasil, disse Senador.

Winterkorn disse à "Der Spiegel" que a medida "não é agradável", mas que as demissões são "inevitáveis". Agências de notícias informaram mais cedo que a medida poderia incluir o Brasil.

O presidente da companhia disse não haver "nenhum problema" sobre o quadro de funcionários fixos, mas sinalizou que a Volks pode "rever sobre outras coisas" caso a empresa não possa "seguir adiante".

Na Alemanha, a Volkswagen empregava no fim de 2008 cerca de 4.500 temporários. Muitas das demais vagas estão no leste da Europa ou no Brasil. A VW emprega no total aproximadamente 330 mil pessoas no mundo.

As vendas do primeiro construtor automobilístico europeu caíram 15% em janeiro e a Volkswagen prevê ainda um recuo de 10% em 2009. A Volkswagen não exclui a possibilidade de registrar prejuízo no primeiro trimestre em razão da queda dos mercados automobilísticos no mundo.

O presidente da Volkswagen ainda rechaçou que seu concorrente Opel --filial da General Motors na Europa-- receba ajuda estatal, pois considera que o Estado não deve se converter em "uma sociedade de resgate para empresas que possivelmente estão próximas da bancarrota".

Winterkorn admite que é "legítimo" que governo alemão outorgue avais financeiros de forma "pontual" a uma empresa, mas "só durante um tempo de transição". Ele ainda assinalou que não se pode calcular se a Opel está ameaçada pela falta de liquidez, mas afirma que, se a empresa se declarar insolvente, seria algo "lamentável".

Um comentário:

André Rodrigo disse...

Parabéns Odarlone pela notícia verdadeira!

Ao chorão e pessimista, resta lamentos.

Visitas

FEEDJIT Live Traffic Feed